Feeds:
Posts
Comentários

A escolha clara

Quando ponderamos com serenidade, um pouco descontaminados da forte emoção do momento, podemos enxergar melhor as nossas escolhas.

Escolher com clareza é colocar as coisas nas devidas proporções, não descuidando de si mesmo, das prioridades permanentes da vida, a saúde, a família, as amizades, a segurança financeira e pessoal.

Quando estamos no calor das emoções, não raro, assumimos escolhas e tomamos decisões erradas das quais nos arrependemos posteriormente. Quando procuramos uma descontaminação do calor do momento, encontramos a calma para decidir e escolher com mais segurança, sem arrependimentos.

Uma decisão responsável considere a seriedade da vida, única e inalienável. A vida é sua para cuidar, para se viver plenamente, e não podemos negligenciar e jogar no lixo as oportunidades de fazer direito, pensar com calma e decidir o melhor para nós mesmos.

Tudo aquilo que adoramos, o conforto material, o convívio com amigos e familiares e mesmo os prazeres incontáveis que o mundo moderno nos oferece, deve ser usufruído com responsabilidade, sem dano aos outros e a si mesmo.

Quando trazemos o tempero da responsabilidade para o campo das decisões, e damos tempo suficiente para a nossa mente maturar, as escolhas podem se tornar mais claras.

Cada momento é único e cada decisão envolve diferentes circunstâncias, e temos que viver e decidir com seriedade, e feito isso, a vida se torna menos complicada.

O final do ano vai chegando e podemos sempre incorrer no velho e nocivo hábito da procrastinação, empurrar com a barriga, deixar para depois, e temos que aprender a evitar esse péssimo costume.

Assim como a calma traz clareza às nossas decisões, precisamos colocar calor e energia nas nossas ações, fazer o que tem que ser feito e transformar as nossas escolhas em realizações.

Rubens Sakay (Beco)

Quando estamos com a mente aberta, livres da arrogância e da prepotência, temos uma compreensão libertadora, mais positiva da nossa vida, do caminho que estamos trilhando e das adversidades que temos encontrado.

Uma coisa fundamental é a explicação que damos às coisas que acontecem com a gente.

Quando jovem, atribuía tudo que acontecia comigo ao empenho dos meus pais, e ficava contrariado com eles quando algo me era negado, os culpava, os cobrava incessantemente.

Um pouco mais crescido, percebi, e meu foi ensinado que eu tinha que fazer a minha parte, e que nessa vida, nada vai cair do céu. Aprendi que tinha que me empenhar, e essa foi uma fase difícil, pois sempre me culpei por não empenhar o bastante, e me culpava por não ter tudo, não conseguir tudo que merecia conseguir na vida.

Um adulto, me dei conta que mesmo com todo o empenho deste mundo, não conseguiria o sucesso que imaginava para mim, e passei a atribuir esse demérito à falta de sorte, afinal, não nasci em berço de ouro, não estudei no exterior e nem tive a sorte que muitos dos meus amigos tiveram na vida. Passei um bom período da minha vida entristecido, cabisbaixo, e acho que foi um período em que vi o dia sempre nublado e as pessoas sempre ameaçadoras. Me escondi, me calei e me tranquei em mim mesmo. Mas a vida é pródiga e me ensinou, um dia de cada vez, que a despeito de qual seja a sua situação, é sempre possível melhorar um pouco, e ser um pouco mais feliz.

Hoje, uma pessoa mais madura, percebo que tudo que aprendi tem um valor em si mesmo, ainda que não venha a utilizar em nenhuma circunstância.

Aprendi que aceitar aquilo que não posso mudar é uma libertação. E uma libertação maior ainda, foi aprender que posso e devo assumir o controle de minha vida, fazendo aquilo que está ao meu alcance, aquilo que é minha responsabilidade.

A compreensão libertadora foi saber que não sou o todo poderoso dono do mundo, mas sou dono do meu pedaço, da minha vida, e não devo deixar o meu barco à deriva, sem rumo, sem sentido.

Rubens Sakay (Beco)

Tenho que me esforçar para aprender com meus erros, do contrário vou ser obrigado a repeti-los. Assim como na escola, quando repetimos de ano e somos obrigados a repassar as mesmas lições, os erros representam os nossos professores que nos procurarão insistentemente até que aprendamos o que está sendo ensinado.

Detesto cometer os mesmos erros, e para isso, tenho que aprender, não só a identificá-los e reconhecê-los, mas a aprender a lição que neles vêm embutidos.

Podemos aprender muito com os conflitos nos relacionamentos e assim melhoramos a nossa capacidade de estar bem com os outros.

Os acidentes de carro, e quase acidentes nos ensinam a dirigir melhor, com mais cuidado e atenção, mas não precisamos levar uma vida totalmente acidentada para aprender tudo que temos que aprender. Uma aprendizagem pode acontecer de maneira menos trabalhosa, menos desastrosa, desde que estejamos atentos, com a mente aberta para aprender.

Somos o que somos porque aprendemos muito, e ninguém nasceu sabendo. Alguns aprendem mais, outros aprendem menos, e é uma pena que se aproveite pouco da escola da vida, uma abundante passagem, onde estamos empenhados em melhorar, com oportunidades por todo canto.

Aprendemos muito com os outros e tiramos lições também com os erros dos outros. Não que desejemos que os outros errem, aliás, é bem o contrário, não queremos que ninguém padeça e sofra por qualquer motivo, mas quando alguma coisa errada acontece com os outros, é também uma oportunidade para aprendermos alguma coisa.

No entanto, uma barreira enorme se interpõe diante desse tipo de aprendizagem, a prepotência. Acreditamos que o outro comete erros por total incompetência e que tal desgraça nunca vai acontecer com a gente, e isso nos leva a repetir seguidamente os erros que poderíamos muito bem ter evitado. O pior, é que os próprios erros são repetidos seguidamente, pois atribuímos os nossos erros à falta de sorte e incompetência dos outros, como já escrevi anteriormente “os meus erros são explicáveis, os dos outros, imperdoáveis”.

Descer do pedestal evita que a própria queda, se isso acontecer, seja tão danosa. Temos que descer dos saltos altos e parar de olhar o mundo com tanta arrogância.

Evite que a sua vida seja tão trabalhosa, e o seu caminho tão tortuoso, e faça dos seus erros seus melhores professores.

 Rubens Sakay (Beco)

O pensamento distorcido

Temos que estar atentos para os pensamentos distorcidos que passam pela nossa mente e que atrapalham as nossas decisões, escolhas e ações.

O nosso cotidiano é repleto de elementos que trazem ruído aos nossos pensamentos, as comparações, a culpa, a inveja e os ressentimentos e tantos outros, que fazem com que estejamos sujeitos a escolhas reprováveis e decisões recrimináveis.

Pensamentos distorcidos retratam uma visão irreal da nossa realidade e nos enganam com facilidade, empurrando-nos para caminhos tortuosos e acidentados.

A nossa atenção para esse aspecto tão natural no ser humano, pode nos permitir lançar mão de alguns mecanismos que podem minimizar os seus efeitos, por exemplo, a substituição de pensamentos.

Quando notamos que um pensamento distorcido chega à mente, temos que fazer um esforço para substituir esse pensamento por outro mais positivo, mais otimista, e na verdade, e que retrata a situação com mais realidade.

Outro recurso valioso é retrucar e desafiar este pensamento negativo e distorcido, desconstruindo as partes que causam preocupação. Costumamos distorcer as coisas por conta de preconceito e ideias ultrapassadas acerca de um tema, pessoa ou circunstância.

Nem tudo é completamente bom ou ruim, temos que ponderar consigo mesmo, evitando cair nas armadilhas dos extremos.

As nossas ações são frutos dos nossos pensamentos, atitude frente à vida, e temos que cuidar para que a influência seja toda positiva.

Não queremos ser boicotados por nós mesmos, encaminhando-nos para o caos ou para situações conflituosas.

Temos que confiar no nosso instinto e na nossa mente, mas devemos dar tempo para que os dois cérebros, racional e emocional dialoguem adequadamente, nos levanto a decisões acertadas.

A vida não é fácil, e o nosso caminho esconde buracos em muitos trajetos, e por isso, temos que corrigir os nossos pensamentos distorcidos e não incorrer em mais dificuldades que o razoável.

Rubens Sakay (Beco)

Temos que ter confiança que conseguimos seguir adiante e prosperar com aquilo que já sabemos e aprendemos, mas temos que ter a humildade para se dar conta de que tudo isso ainda é pouco e que posso aprender um pouco mais.

Se você acha que já sabe tudo, com certeza não vai aprender nada novo, nada que te acrescente e te ajude a seguir com mais desenvoltura.

O mundo está em constante mudança e assim estão os desafios. Temos que estar abertos para aprender coisas novas ou vamos acabar estagnados e limitados para muito do que vem pela frente.

Considere também que as pessoas estão enxergando o mundo por diferentes pontos de vista e um deles vai te ajudar a resolver o problema que tanto te incomoda agora mesmo.

Tenha a mente aberta para outras opiniões, outras versões e informações novas sobre as circunstâncias.

A vida é muito preciosa para confiar apenas no nosso pensamento, na nossa opinião e experiência. Temos que aprender com aquilo que outros já aprenderam, assim evoluiu a humanidade. Não precisamos cometer os mesmos erros para aprender a mesma lição.

Quando nos fechamos para o novo, para as outras pessoas, somos tomados pela arrogância, prepotência, e colocamos evidência na nossa própria fraqueza.

A humildade, por outro lado, convive com a grandeza da alma, os ouvidos abertos e a mente pronta para aprender uma coisa nova, assimilar uma nova lição.

Aprender uma pequena lição nos ajuda a concluir um grande projeto, e não despreze cada pedacinho de ensinamento.

Aprenda essencialmente com a vida. A vida é uma escola, esta é uma assertiva segura, pois aprendemos com ela todos os dias.

Precisamos da humildade e da confiança, e precisamos aprender sempre, uma questão de sobrevivência.

Não é uma questão de ficar para trás ou estar à frente, mas simplesmente conseguir lidar com os problemas cotidianos que muda todo momento.

Precisamos confiar no que sabemos e saber que nada sabemos.                                                                           Rubens Sakay (Beco)

O seu melhor esforço

Faça hoje, o melhor que puder, dê tudo de si e fique tranquilo que tudo vai dar certo.

O seu melhor esforço vai ser recompensado, e não deixe que alguma expectativa frustrada no passado sirva de desculpa para não agir, não aproveitar as oportunidades que tem no momento.

Sei o quanto é frustrante ver os resultados não corresponderem ao esforço empreendido, mas saiba que isso acontece de vez em quando. De uma maneira geral, os resultados são compatíveis com o nosso nível de empenho.

Por vezes ficamos desapontados consigo mesmo, não demos o nosso melhor, e o resultado foi insatisfatório. Melhor razão para fazer melhor da próxima vez, se esforçar mais, dar aquele sprint final de energia.

Não deixe que aquela lembrança de desconforto de desencoraje. Não há glória sem esforço, sem suar a camisa. Como dizem em inglês “no pain no gain”.

O tempo gasto em preocupações e medo, e repetidas ruminações, é um tempo totalmente desperdiçado.

Ainda que muito do que acontece está fora do seu controle, a sua vida é o seu barco, assuma o comando.

Lembre a si mesmo que tudo depende de você, e ninguém vai se importar com a sua vida mais do que você mesmo.

Às vezes a sorte está ao nosso favor, mas em outras ocasiões parece que ela nos abandonou. Não fique matutando excessivamente com isso. Você é uma pessoa abençoada e coisas boas estão reservadas para você, mas tem que fazer a sua parte.

Não deixe que a frustração se transforme em raiva, nem que a ação deficiente se transforme em culpa.

Deixe a negatividade de lado e olhe o que você pode aprender da situação. Quanto mais rápido você aprender a lição, mais rápido você pode mudar de fase – assim como num game. Passe adiante e não perca tempo se culpando ou se arrependendo.

Quando quebramos o ciclo vicioso da negatividade, podemos rapidamente passar para o circulo virtuoso do sucesso. Mais esforço conduz a mais resultados, que nos enche de entusiasmo, reconhecimento e autoestima elevada.

Atitude frente à vida, frente às adversidades – olhar para frente, para a riqueza da vida.

Rubens Sakay (Beco)

Não se deixe fraquejar com as dificuldades que a vida lhe oferece. Os desafios são nutrientes essenciais para a sua vida.

Uma vida sem dificuldades é inútil e totalmente desperdiçada. Temos que enfrentar o que vem pela frente de cabeça erguida, confiantes em Deus, em si mesmo e na possibilidade de tudo melhorar.

O desafio não tem o seu valor somente naquilo que você pode conseguir, no objetivo que vai atingir, mas principalmente na transformação que ele pode produzir em você. É nesse sentido que o desafio é um nutriente essencial para o seu crescimento pessoal.

Os desafios podem ser de diferentes dimensões e natureza, e o resultado que eles provocam em você depende fundamentalmente na sua postura e atitude frente a eles.

Enfrente tudo que vier, com otimismo, coragem e perseverança.

Seja um herói da sua própria história.

As possibilidades que se descortinam especialmente para você são inúmeras, tenha o olhar calibrado para enxergar e coragem reservada para realizar.

Não podemos fraquejar quando a vida nos pede para prosperar, progredir.

Não devemos lamentar quando o problema que aparece na nossa vida é na verdade uma oportunidade travestida de dificuldade. Temos que enxergar o que está dentro do pacote, o conteúdo, o valor real.

As adversidades são desafios e oportunidades, e são todos eles nutrientes diários que você recebe para se tornar uma pessoa fortalecida, melhor a cada dia.

Você é uma pessoa abençoada e nunca maldiga a vida que lhe é oferecida.

Olhe para trás para compreender o progresso que já fez até aqui.

Foco no futuro, encorajado por tudo que ainda há por fazer e realizar.                                                                                    Rubens Sakay (Beco)

A confiança vem de suas experiências passadas, na sua capacidade, e também na crença de que você não está só, e que a ajuda pode chegar quando você precisar.

O mais importante sobre a confiança é que ela te impulsiona para frente.

Ela pode nascer da sua atitude consigo mesmo, na crença de um futuro melhor.

Ela pode estar baseada na sua história de sucesso, realizações que frutificaram do seu esforço. A confirmação de que você é capaz, de que você sempre pode contar com a ajuda das pessoas que te cercam, e que ajuda que vem lá de cima não vai faltar.

As pessoas podem te encorajar, e tudo isso tem que te empurrar para o futuro.

O milagre da vida pode te inspirar a acreditar que o melhor vai acontecer com você.

Mas a felicidade não está em esperar, e a realização não bate à sua porta com um pacote pronto.

O melhor da confiança é que ela nos coloca em movimento, correndo atrás dos nossos sonhos, realizando os nossos projetos. A confiança é o nosso combustível, e temos que manter o tanque cheio, pois o mundo é mesmo de dificuldades. A dor pode te atingir e pode vir com uma boa carga de sofrimento, e temos que estar animados, ou vamos fraquejar, nos deprimir.

O futuro é incerto, e mesmo com um planejamento acurado, vamos errar em muito, e eu posso dizer da minha própria experiência. Temos que acreditar que mesmo com falhas no planejamento, a nossa direção está certa, pois está baseada na nossa confiança de que tudo vai dar certo.

As possibilidades são muitas, e as soluções para os problemas estão bem perto da sua visão. É preciso olhar a vida com otimismo, e enxergar que o futuro traz boas novidades.

Sei que a luta pode não ser fácil, e podemos nos sentir sobrecarregados, mas não estamos sós.

Não podemos fazer corpo mole ou vamos ser atropelados pelos problemas.

Não devemos parar para lamentar, pois o tempo é curto e a vida é uma só.

Faço tudo que está ao meu alcance, não quero me arrepender e quero estar preparado para saborear a vida tal qual ela é.

Rubens Sakay (Beco)

A harmonia e o equilíbrio são muito importantes para que aproveitemos a vida plenamente.

Quando vivemos os extremos, estamos sempre estressados com os perigos com a sobrevivência.

A harmonia significa a paz com tudo e com todos, e não quer dizer complacência, ou conformismo, mas simplesmente aceitar o que está fora do nosso controle e conviver harmoniosamente e pacificamente com o mundo que nos é oferecido.

Precisamos permitir que a serenidade  nos visite para que o nosso cérebro resista à tentação para ir aos extremos.

Quando somos agredidos verbalmente, o nosso cérebro emocional aciona rapidamente o nosso modo de ataque ou fuga, e se não fizermos nada, isso pode nos complicar. Podemos perder o equilíbrio, partir para a agressão física, ou mesmo dizer coisas das quais vamos nos arrepender.

Muitas vezes nos ferimos inexplicavelmente ou mesmo nos desentendemos com pessoas do nada. É sinal de que não estamos em harmonia. Estamos de uma maneira ou de outra, perturbados, estressados, e precisamos fazer alguma coisa para sair desse estado prejudicial para a nossa saúde, e que nos coloca em risco.

A temperança, que nos coloca no caminho adequado, fugindo desnecessariamente das corredeiras e das pistas escorregadias é uma virtude que temos que nutrir.

Pode parecer lógico que o caminho do equilíbrio é o mais adequado, mas o estresse cotidiano nos desvia desse caminho, e muitas vezes cometemos excessos.

Precisamos cultivar o hábito de pensar um pouco antes de agir, especialmente quando estamos pressionados.

A pressa nos empurra para resolver o curto prazo de maneira inadequada, nos colocando em enrascadas no meio prazo, e comprometendo o nosso futuro.

A jornada é longa e temos que manter a calma nos momentos de perigo, e é bom lembrar que o estresse envenena os relacionamentos.

Não perca a cabeça, não coloque tudo a perder. Procure o equilíbrio mesmo com puxões e empurrões para todos os lados.

Esteja em harmonia com todos e consigo mesmo.                                                                                            Rubens Sakay (Beco)

Não importante se damos grandes passos ou pequenos passos, no final da caminhada, vamos chegar ao destino.

Assim como uma escada com degraus espaçados ou juntinhos levam ao mesmo lugar, temos que aprender a valorizar cada pequeno passo.

Um pequeno e minúsculo passo é muito mais valioso que a estagnação, a inação. Ficar parado, resmungando e reclamando da vida é totalmente inútil.

Um pequeno gesto de gentileza faz diferença. Uma ajuda quase insignificante pode representar muito para quem recebe.

Reflita sobre o pequeno passo que vai dar hoje e que vai fazer uma diferença para a sua vida. Não relute em caminhar nessa direção. Faça por você, pelo seu futuro, e procure o crescimento pessoal.

Podemos desejar grandes feitos, saltos estrondosos, mas a vida nos proporciona poucas oportunidades desse tipo.

Por outro lado, o dia a dia nos presenteia com inúmeras oportunidades de fazer a diferença, um passo de cada vez.

Podemos sonhar grande, e o fato das nossas passadas serem limitadas não deve nos desanimar, pois podemos seguir em frente por muito tempo, e vamos chegar ao nosso objetivo.

Como nos ensina o famoso autor Anthony Robbins, um esforço constante de pequenas melhorias é o que temos fazer em nossas vidas.

A vida é um rosário de problemas de toda sorte, e a maioria deles são pequenos, e exigem um esforço pequeno para resolver. Portanto, se tivermos a atitude de se manter em constante movimento resolvendo as questões que nos aparecem, vamos resolver quase todos sem mudar o nosso ritmo, e até com pequeno esforço.

E mesmo os grandes problemas e grandes realizações encontram a sua solução nas pequenas e inúmeras ações.

Estar em movimento, mesmo com pequenos passos nos afasta da atitude negativa do muro das lamentações, da estagnação e da procrastinação.

Quando nos colocamos em caminhada não sobra mais espaço para pensar na estagnação.

Rubens Sakay (Bec0)

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 281 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: